As mudanças com a chegada de uma criança são inevitáveis. Contudo dependendo se essa criança é desejada e planejada pelos dois genitores e se ambos se preparam com busca de autoconhecimento, essas mudanças podem ser vividas de forma bem diferente! Além disso, mesmo quando uma criança é desejada e planejada existe uma diferença grande do que os pais idealizam e da realidade.

Começando bem

Casais que planejam a chegada de seus filhos dão a eles de presente o “kit autoestima”. Com essa simples medida vocês estarão programando também que essas mudanças inevitáveis na vida do casal sejam vivenciadas com mais aceitação e como oportunidade de grandes aprendizados para todos.

Mudar o mundo

A maternidade e a paternidade precisam ser vistos como papeis sagrados. Recomendo que assistam no You Tube o vídeo gravado pela dra. Eleanor Luzes intitulado Ciência do Inicio da Vida, ela resume sua tese de doutorado defendida na UFRJ de forma muito acessível. Dentre inúmeras coisas interessantes que ela coloca podemos perceber a capacidade que temos de mudar o mundo, cuidando da chegada e da educação que damos aos nossos filhos!

Intensificação dos problemas que existem entre o casal

Veja, bebê não gera problema, bebê ajuda, eles vêm para o mundo trazendo solução, trazendo renovação, são as questões que já existem entre o casal que se intensificam com a chegada do bebê.

Então se vocês querem ter um filho, precisam ter coragem de enfrentar os possíveis problemas que existem entre o casal, caso não consigam resolver as questões sozinhos ou com a ajuda de familiares e amigos, recomendo uma terapia de casal se desejam manter o casamento e terem filhos juntos para evitar que os problemas se intensifiquem com a chegada do bebê.

Caso contrário existe um risco do casal se separar ainda nos primeiros anos de vida do bebê. Ou da relação familiar deixar de ser saudável. É responsabilidade dos adultos se prepararem para que ambos possam acompanhar o desenvolvimento de seus filhos apoiando-se. Isso também é importantíssimo para o bom desenvolvimento do bebê.

1. Reorganização de papéis

Quando nasce um filho cada membro da família é convidado a parir um novo papel, ou uma nova função, ou seja, nascem também uma mãe, um pai, dois avôs e duas avós, etc… Ou seja, a chegada de mais um membro na família muda toda família.

Se o homem e a mulher aceitam essas novas funções bem, eles se tornam cooperativos nos cuidados do bebê e isso os aproxima muito enquanto pais, porém existe uma diminuição de tempo para ambos dedicarem-se um ao outro. Caso exista uma dificuldade de um dos dois em incorporar a nova função é inevitável que haja um afastamento do casal.

2. Diminuição da frequência sexual

Naturalmente se antes ambos direcionavam toda a energia um ao outro, depois da chegada do bebê grande parte dessa energia será dedicada aos cuidados dele. Então, na minha opinião, isso deve ser algo que o casal deve esperar e se preparar para lidar com essa situação da melhor forma possível.

Os primeiros meses são os mais delicados, mas o vínculo simbiótico dura até os 2 primeiros anos de vida. Caso o casal não tenha maturidade para lidar com essa fase existe o risco de traição, principalmente do homem, o que leva a um enfraquecimento do clima amoroso e cooperativo entre ambos com consequências para o bem estar do filho.

Uma coisa importante para que a mulher seja capaz de desempenhar tanto o papel de mãe e de esposa bem é ter ajuda não só marido, mas também de outras mulheres tanto para cuidar da casa como para ficar com o bebê de vez enquanto para ela sair com o marido.

E para o homem é importante desenvolver a capacidade de esperar para entrar no papel e se disponibilizar enquanto pai cooperando com a mãe. Se ele simplesmente se encanta com a mãe e fica a admirá-la cuidado do filhote, ficando ao lado dela isso já começa a gerar um clima para o namoro.

Ana Cristina Moreira
Contato: (21) 98341-2224
Psicóloga Clínica Gestaltista

DEIXE UMA RESPOSTA