De acordo com estudo feito em 2015, pela Organização Mundial da Saúde(OMS), mais 322 milhões de pessoas sofrem de depressão.

No Brasil 5,9% da população tem essa doença, o que corresponde a mais de 11 milhões de pessoas. O Brasil já é o maior país da América Latina com incidência de depressão e, considerando as Américas, é o segundo, só perdendo para o Estados Unidos que tem 5,9% da população sofrendo de depressão. Isso é muito grave, pois sabemos que a depressão é uma das maiores causas de suicídio.

Para falar sobre esse assunto o portal Equipe Pro Saúde convidou a psicóloga Rosiléia Lopes que, além de atender pacientes com depressão em seu consultório, ela também tem uma história muito interessante: a sua própria filha sofre de depressão.

Então a gente começa aqui dando um alô para a Dra. Rosiléia Lopes:

Tudo bem?

Tudo bem sim, obrigado pelo convite.

Você tem uma filha que sofre depressão e você como psicóloga também atende pacientes. Você poderia nos contar um pouquinho sobre essa sua experiência? O que que isso pode ter trazido de resultados positivos na sua vida?

Sim. Eu convivo com a doença da minha filha já há alguns anos. Quando eu descobri a doença, quando eu suspeitei dessa doença eu era estudante de psicologia e a primeira atitude que eu tive foi buscar tratamento e levar ela.

Levei ela ao psiquiatra, a psicóloga e assim ela começou o tratamento. Só que depois de um tempo eu percebi que eu não estava vendo melhoras e ela começou a ter crises muito graves. Foi nesse período que eu comecei a perceber que eu precisava aprofundar mais os estudos nessa área porque eu troquei de profissionais, e ainda assim, eu não estava conseguindo ver resultados efetivos.

E aí com esses estudos, com minhas pesquisas eu me aprofundei muito nessa área, nesse transtorno. Eu percebi que na verdade o problema não estava no tratamento, o problema estava realmente em alguma coisa que faltava para apoiar esse tratamento. É o que hoje eu chamo de tripé do Tratamento da Depressão, que é o conjunto do tratamento psiquiátrico, psicológico e do apoio familiar (apoio estruturado).

Perfeito, inclusive você tem um projeto que é o Projeto Amo Alguém com Depressão. O site do projeto é: www.amoalguemcomdepressao.com.br.
Eu vi que nesse site você disponibiliza gratuitamente um livro sobre a depressão.

E como você falou do tripé eu suponho, pelo o que a gente conversou antes, que o tripé é a importância da família no tratamento. Você dá orientações nesse livro para que a família possa ajudar essa pessoa que tem depressão. Seria isso mesmo? Você poderia falar um pouquinho pra gente sobre esse livro?

Sim. Esse livro é sobre o que eu percebi que estava faltando nesse tripé. Na verdade o livro trata dos três maiores erros que as famílias cometem ao ajudar uma pessoa com depressão.

Certo. Então, diante desses 3 maiores erros que as famílias cometem você também explica o que deve ser feito para lidar e evitar esses 3 erros?

Exatamente. Eu mostro o porquê das famílias estarem cometendo esses erros e o que elas podem fazer para começar a evitar esses erros e começar a ver melhoras efetivas no tratamento da pessoa com depressão.

Por que o livro é gratuito?

Ele é gratuito porque na verdade eu quero ajudar o máximo de pessoas possíveis. Nessa comunicação através da internet é de praxe que a gente entregue conteúdos de valor, materiais de valor para ter uma melhor comunicação.

Inclusive a pessoa deixa o seu e-mail para que possamos entrar em contato e mandar mais materiais para que elas possam estar sempre inteiradas no assunto que de fato é do interesse delas.

Muito bem. Usando o marketing digital para melhor ajudar as pessoas que tem problemas de depressão e principalmente os familiares que tem essa dificuldade.

E para quem está curioso pelo conteúdo do livro, eles vão poder ler gratuitamente, mas de forma resumida quais são os 3 principais erros que as pessoas cometem ao ajudar alguém com depressão?

Eu cito esses três principais erros que são muito comuns e que a maioria das famílias cometem: a Inflexibilidade Cognitiva, a Falta de Escuta Ativa e a Falta de Estratégias Práticas.

Qual o erro básico você cometia antes, que você não comete mais e que você acha que faz toda diferença para lidar com uma pessoa que tem depressão?

Eu cometia os 3 erros citados no livro, foi daí que eu iniciei a proposta de escrever o livro com esses 3 erros. O terceiro erro, a falta de estratégias práticas, era o que eu mais cometia.

Então, qual a transformação, quais as melhorias que as pessoas vão ter ao aplicar esse conhecimento?

O que elas tanto esperam. Que o tratamento tradicional comece a funcionar e elas possam de fato a ver a pessoa que amam voltar a ter uma vida saudável e funcional.

Perfeito! Nosso tempo está esgotando. Foi um prazer ter recebido você aqui. Gostaria de dar algum recado final para a gente encerrar o nosso bate-papo?

Eu queria agradecer primeiramente a equipe do Portal Equipe Pro-Saúde por colaborar na divulgação desse projeto que pode ajudar muitas pessoas e gostaria de convidar também as pessoas a conhecerem o projeto e compartilharem para ajudar mais pessoas com essa doença, a depressão.

A gente agradece muito a sua presença aqui hoje!

Você que tem um familiar que tem depressão e percebe hoje a importância do seu papel, muitas vezes você pode estar errando e não sabe onde, ou não está vendo as melhorias que gostaria.

Você precisa conhecer algumas estratégias que a Dra. Rosiléia disponibilizou no seu livro que pode ser acessado gratuitamente no formato digital.

Acesse agora o site do projeto www.amoalguemcomdepressão.com.br e faça o download do livro. , A partir daí, poder receber novos conteúdos desse projeto.

Clique aqui para gratuitamente baixar sua cópia do livro – OS 3 MAIORES ERROS QUE ATRAPALHAM FAMÍLIAS A AJUDAR UMA PESSOA COM DEPRESSÃO.

Você também terá acesso gratuito a outros materiais e conteúdos exclusivos do projeto Amo Alguém com Depressão

DEIXE UMA RESPOSTA